Jazz brazuca com influência norte africana.

O som da banda “Os Camelos” causa uma sensação de silêncio interno. A instrumentação inusitada do trio nos remete a uma caravana percorrendo os desertos africanos, nos levando por momentos de reflexão e introspecção, para em seguida nos causar euforia e leveza na chegada. A textura harmônica relativamente simples permite que os improvisos sejam como mantras que se repetem em ciclos variados, e a força motora do djembe carrega os grooves com leveza e difusão, inspirando algo de tribal e primitivo no ouvinte. Dobrando como instrumento de harmonia e ritmo, o contrabaixo solidifica as explorações do sax e djembe dando o chão intransponível que dá forma e sentido ao resultado final da banda. Eleita uma das melhores bandas de rua do mundo pelo canal BIS, Os Camelos certamente não decepciona o ouvinte atento.

Venha curtir o som dos Camelos dia 6 de Outubro na Jazz Ahead meets Nublu – The Underground Session!
Keep Swingin’ y’all!

A Cena Jazz Underground de New York

A cena musical de Nova Iorque é notória por sua riqueza e variedade de

artistas. O mundo inteiro quer ir pra lá morder um pedacinho da “big apple” e fazer seu nome no mercado mais forte dos EUA. Por causa dessa oferta gigantesca de grandes músicos, a cena underground bomba loucamente! Sobra talento e a musica está em todos os cantos da cidade.

Seja nos rooftops do Brooklyn, nos botecos do village, ou em casas “avant-garde” como a Nublu, você encontra gente talentosa
explorando novos caminhos e 
buscando novas identidades sonoras. O Jazz é o começo, meio e fim dessa jornada musical. Foi através do Jazz e dos primeiros solos do Louis Armstrong que surgiu essa ânsia por encontrar uma voz única que represente a individualidade sobreposta ao coletivo da forma mais cristalina possível.
Na noite do dia 6 de Outubro, a Jazz Ahead se junta a label Nublu pra trazer um pouco dessa vibe NYC pro Clube

dos Macaco s. Venham curtir as bandas Praia Futuro, Os Camelos e os DJs David Tabalipa e Gustavo MM na noite mais delícia do Rio de Janeiro!

 

Keep Swingin’ y’all!

Banda Praia Futuro

A atração principal da Jazz Ahead de Outubro é uma verdadeira constelação de influências psicodélicas e grandes músicos da cena nacional brasileira. Formada pelo baixista do Nação Zumbi Alexandre Dengue, guitarrista e vocalista do Cidadão Instigado Fernando Catatau, o saxofonista e criador da label Nublu Ihan Ersahin, e o baterista e produtor Yuri Kalil, a banda Praia Futuro é a visão modernizada do nordeste dos anos 70, mesclando grooves hipnotizantes com improvisos livres e peças compostas sem formas óbvias. Mesclando a tradição das jams da cena underground de NYC com a intuitividade brasileira para melodias e ritmos, o Praia Futuro vai nos guiar por uma jornada psicodélica dançante e divertida na Jazz Ahead meets Nublu –
The Underground Session dia 6 de Outubro no Clube dos Macacos. GARANTA SEU INGRESSO
Keep Swingin’ y’all.

Jazz Ahead fecha parceria com clube underground de Nova Iorque

Se a globalização do Jazz tivesse um destino, esse destino seria a casa/label Nublu em Nova Iorque.

Criada pelo saxofonista e tecladista Ilhan Ersahin com o intuito de representar a alquimia mundial do jazz moderno, a casa abriga alguns dos sets mais experimentais e culturalmente miscigenados do mundo. Se na terça feira um grupo de “Brass Madness” dos Balkans botou a galera pra dançar, na sexta um conjunto de Jamaican Dub relaxou geral e sábado um quarteto de free jazz fritou todos presentes.

É a expressão do que se tornou a busca jazzística do século 21; misturar elementos do mundo com a pitada individual catalizadora, para chegar em novas realizações sonoras. O momento atual é talvez o mais rico na história do Jazz, trazendo para os ouvintes impressões globalizadas sobre culturas pouco exploradas e suas possíveis misturas.

Além do jazz club, o Nublu também é um famoso festival que já trouxe  para o Brasil grandes nomes como Kamasi Washington, Cymande, Badbadnotgood, The Cinematic Orchestra, Sly & Robbie e Saul Williams. Com a união com a Jazz Ahead muito mais coisas legais virão por aí! O pontapé inicial é neste dia 6 de outubro no clube dos Macacos com a banda Praia Futuro, o DJ David Tabalipa e o DJ Gustavo MM. Venham que esta noite será inesquecível. Ingressos limitados a venda.   GARANTA SEU INGRESSO

 

 

David Tabalipa estréia na Jazz Ahead meets Nublu NYC: Black Music de todas as épocas e origens

Conhecido colecionador de discos, DJ David Tabalipa é presença obrigatória nos line-ups do Rio com discotecagens 100% vinil.

Sua relação com o jazz para a pista se cristalizou quando foi residente por 3 anos da festa Jamléia, onde discotecava e participava de jam sessions com músicos e MCs. Entre eles: Arthur Maia, Speed, Claudio Zoli, William Magalhães (Black Rio), Tricky, Lenine, Guinga, Seu Jorge, Marcelo D2, B Negão, Black Alien, DJ Negralha, Marechal e outros.

Atualmente, David é residente, ao lado do DJ Nepal, da festa Fabrika Apresenta. Já se apresentou em diversas cidades do país e dividiu as pick-ups com vários pesos pesados como: Gilles Peterson (BBC Radio 1, UK), Butter (Dirty Black Disco, NY), Andy Smith (Portishead, UK), Flo (NY, EUA), Kaytranada (CAN) e Mos Def (EUA).

Faz parte dos coletivos Disconnection junto com os DJs Rodrigo Peirão, Godi Osegueda e Leo LS2; e do coletivo In Rotation ao lado dos DJs Machintal, Da Lua, MBGroove, Dudu Dub entre outros.

Cria das lendárias Dr. Smith e Bunker 94, passou pelas festas Groovy (com Markinhos Meskita), Febre (com Calbuque), Festa Soul e Black Friday (com os DJs Joca-san e Tamenpi). 

Nos 4 anos que morou em São Paulo tocou em clubes como o Lions, Vegas, Tapas, Idch, Lab, Dorothy Parker, Secreto, Alberta #3, Beat Club e no Tribe Festival.

O DJ teve sua trajetória contada em um capítulo inteiro do livro “DJs”, de Joca Vidal e Frederico Coelho e define seu som como: “Black Music de todas as épocas e origens”.

Na Jazz Ahead meets Nublu de sexta, 6.10, você vai ter a oportunidade de ouvir os funkys grooves desse mestre.  Garanta seu ingresso

Se quiser curtir uns set´s jazzy chilli do cara: clique aqui

5 motivos para você começar a ouvir Lee Morgan imediatamente!

1. Ele foi o trompetista mais blueseiro e “soulful” do seu tempo!

2. Ele foi um virtuoso que sempre manteve o bom gosto e a musicalidade em primeiro lugar.

3. Ele tocou na formação do Art Blakey Jazz Messengers mais foda de todas! (controverso!!!)

4. Ele sempre botava a galera pra dançar nos festivais e shows que fazia!

5. Ele foi o trompetista do “breakout” album do John Coltrane entitulado “Blue Train”.

 

Apesar de sua extensa discografia, Lee Morgan morreu tragicamente com apenas 33 anos. Ele foi assassinado durante uma apresentação pela sua própria namorada, que atirou nele com uma espingarda em fevereiro de 1972. Alguns dizem que foi no meio da apresentação, em frente do público presente, e outros dizem que foi na parte de trás da casa de shows. De qualquer forma, o jazz perdeu um dos seus maiores talentos e sempre fica no ar a pergunta; o que Lee Morgan teria feito se tivesse vivido mais 10 anos.

St John Coltrane

Hoje faz 50 anos desde o falecimento de quem para nós, e para muitos, foi o maior saxofonista de todos os tempos, o brilhante e revolucionário John Coltrane. Um perfeccionista musical, sua extensa obra demonstra bem sua constante evolução e sua capacidade incomum de estar sempre se reinventando.

Sua voz única no tenor e seus vôos no sax soprano, se tornaram uma fonte de inspiração para toda uma geração de músicos que seguiram e até hoje tentam emular tanto seu virtuosismo como sua incrível capacidade expressiva. Seu som, principalmente durante os anos 60, retrata claramente a dor, a luta e a superação dos afro-americanos durante o auge do movimento pelos direitos civis. A profunda mensagem que ele transmitia, e que considerava sua missão na terra, era de unir a humanidade e transcender espiritualmente através da música, tornando as pessoas mais felizes e energizadas para enfrentar as dificuldades do cotidiano. Fica a nossa homenagem a esse ser iluminado que teve uma passagem tão breve por aqui, mas marcou tão profundamente a vida de milhares de pessoas. John Coltrane, eterno, imortal.

Abaixo vocês ficam com um dos álbuns mais importantes da história do jazz. Gravado em dezembro de 1964, A Love Supreme uniu todas as inovações descobertas por Trane até o momento. O álbum representa o período de grande espiritualidade que Coltrane imergiu após se livrar do vicio em álcool e outras drogas em 57, além de apontar para as grandes inovações que viriam nos próximos dois anos e meios de vida.

Alma Thomas presta homenagem a Erykah Badu na próxima festa Jazz Ahead

Ter a nova iorquina Alma Thomas no Rio de Janeiro é um presente para os ouvidos dos cariocas. Ela é, sem dúvida, uma das vozes mais limpas, flexíveis e marcantes que já ouvimos por aqui.

 

Após sua passagem muito bem sucedida pelo The Voice, seus fãs pelo Brasil afora crescem a cada dia. Alma usa sua voz com dedicação e técnica similares a de um instrumentista e sempre nos impressiona pela capacidade vocal. Há mais de 6 anos Alma se dedica ao repertório de Erykah Badu ao lado de sua banda Bambina Philosophy e interpreta com imensa propriedade as músicas da revolucionária do Soul, sempre respeitando a tradição do jazz e blues sem perder sua personalidade única.

Alma acaba de lançar a versão em inglês do hit ‘Você partiu meu coração’,
do artista Umberto Tavares. ‘Broke My Heart In Two’ é a balada tema da personagem Luiza, interpretada por Camila Queiroz, na novela ‘Pega Pega’, da Rede Globo.

Na festa Jazz Ahead do sábado, dia 5 de agosto, no Clube dos Macacos, Alma Thomas conta com os arranjos e metais Hermenegildo59, septeto que vem fazendo uma temporada arrebatadora na Casa de BACO. Além desse show incrível, os DJs Nepal e MM vão quebrar tudo na pista dessa festa Jazz Ahead que promete ficar para a história. Se você ainda não garantiu seu ingresso, corra porque as vendas estão a todo vapor. GARANTA SEU INGRESSO -> bit.ly/erykah-badu-jazz